Menu

Como Viajar Barato

Como Viajar Barato

O Podcast "Como Viajar Barato" te ajuda a encontrar formas de viajar o mundo gastando pouco, trazendo convidados de todo o mundo para compartilhar as melhores dicas de viagem.

Viver viajando e viajar com intensidade com Rafael Dallacqua 28.01.2020, 16:00
Viver viajando e viajar com intensidade com Rafael Dallacqua

<p><b>Bem-vindos ao podcast como “viajar barato” apresentado pela Airbarato, plataforma que te ajuda a encontrar voos com os melhores preços. Eu sou Marianna Teles, sou anfitriã desse podcast e hoje eu vou entrevistar o Rafael Dalacqua, que largou o mercado financeiro, entrou em um processo de desapego e hoje tem o projeto “viagem com intensidade” onde busca mostrar para outras pessoas que é possível viver com menos e viajar o mundo.<br><br>Rafael: “Bom, minha vida era como a da maioria das pessoas, eu tinha um emprego normal, sou economista de formação, tenho mestrado em economia, trabalhava no mercado financeiro em um dos maiores bancos do Brasil, mais especificamente no mercado de ações, e era isso, tinha uma vida em escritório das 8h da manhã às 8h da noite, trabalhava bastante e viajava só em época de férias mesmo, pelo o que eu fazia era bem difícil eu ter mais do que 20 dias de férias por ano. Morava em São Paulo, sozinho e é isso…&#160;<br><br>Toda a minha vida eu viajei na pegada de mochilão, eu nunca tive uma viagem assim de hotel, essas coisas, sempre viajei ficando em hostel, fazendo de mochilão e a primeira viagem da minha vida foi até quando eu estava entre empregos, na época eu tinha saído do estágio aí eu fui fazer aquele&#160; “Work and Travel” nos Estados Unidos, e esse foi a minha primeira viagem internacional, e desse “work and travel” eu juntei dinheiro pra fazer o meu primeiro mochilão. Fiz o “Work and Travel” na temporada de 2008 a 2009, que era a temporada de inverno nos Estados Unidos e quando eu voltei para o Brasil fiz mais um semestre da faculdade e nas férias de julho fiquei de julho a agosto fazendo mochilão na América do Sul e esse foi meu primeiro mochilão, Bolívia, Chile e Peru. Desde então&#160; peguei a paixão por viajar na pegada “low cost”, viajar de mochilão e todo ano eu tentava fazer 2 viagens, uma no Brasil e outra de três semanas para fora e foi indo assim desde 2010.<br><br>De todas as minha viagens até hoje, toda a vez que eu comentava com alguma pessoa o quanto que eu tinha gastado numa viagem a pessoa ficava impressionada, sabe? Por exemplo quando eu fui para Israel, lembro que foi uma viagem em que eu fiquei quase 1 mês lá e eu gastei tipo uns 7 mil reais, sendo que na época só a passagem foi metade disso, e aí a pessoa fica impressionava e pergunta como eu gastei só isso… Então é por causa disso, ficando em hostel, fazendo couchsurfing, pegando carona, procurando passagem barata, fazendo o possível e um pouquinho que a gente consegue economizar no final dá uma diferença boa.<br><br>Coisas pequenas, às vezes por exemplo ir lá no hostel e olhar a comida que a galera deixou lá, sabe? A parte que fica de free food ali no hostel, tem gente que tem meio vergonha de pegar essa comida ou nojo sei lá, mas é comida normal. Eu sou muito a favor daquela economia sharing que é a economia compartilhada, eu estou de cabeça nisso e tudo que dá para fazer de economia compartilhada eu faço, então tem algumas coisas que eu pratico durante as minhas viagens que muita gente acaba não fazendo e são coisas pequenas, por exemplo eu comprei um chip de celular aqui que dura por um mês, então se eu ficar no destino só duas semanas quando eu chegar no próximo país eu dou esse chip para outro viajante entendeu? E esse viajante está indo no contrafluxo meu, ele pode pegar e usar mais 15 dias esse chip, é coisa barata é, uns 5 10 euros, mas já é uma pequena economia também; a mesma coisa com aqueles cartões de ônibus, em algumas cidades que você vai e você não compra ticket para andar de ônibus, tem cidade que você vai e tem que comprar um cartão e aí você coloca o crédito no cartão, na Sérvia é assim por exemplo, em Belgrado, então quando eu saí de Belgrado trouxe o cartão aqui para Romênia e eu dei para um outro viajante. Então é bem nesse esquema de sharing, sabe eu acho que essa é a tendência mundial e isso joga para o nosso lado quando você tá viajando e principalmente numa viagem de longo prazo.</b></p>

Ano Sabático e como economizar durante ele 13.01.2020, 14:00
Ano Sabático e como economizar durante ele

<p>Bem-vindos a bordo do podcast Como Viajar Barato apresentado pela AirBarato. Hoje eu converso com a Mariana Scaff que resolveu abdicar do estilo de vida estável no mundo corporativo para conhecer o mundo, já conheceu 42 países e hoje ajuda pessoas a realizarem o sonho de fazer seu ano sabático.<br><br>Mari: "Meus pai sempre ensinaram a ter prioridade, você quer viajar? O que te falta para você continuar viajando? é o lugar? é onde você fica? o que é que é? Então para a gente sempre foi o viajar, não interessa quanto vai ser o perrengue, vamos viajar! Mas até então era isso, daí viagem em&#160; família, viagens mais curtas e aí quando eu fui fazer intercâmbio em 2013, que foi a primeira vez que eu viajei sozinha, e pensei que era isso que eu gosto, quero fazer, ficar um tempão, porque até então no intercâmbio você tem que ficar estudando, você tem uma rotina, não é a mesma coisa de ficar viajando. Mas ainda estava na escola, tinha que dar aqueles checks da vida, foi o que você falou, não é uma decisão nada fácil, você tem a vontade e você sempre fica nessa de um dia vou fazer, um dia, um dia…e aí você coloca que é caro, vou atrasar minha carreira. Então eu tinha muito certo isso de ter meu currículo bonitinho, quero ter coordenadora escrito, que quando eu voltar eu volto bem e isso foi fazenda eu postergar, até que um dia eu falei nossa acho que tá bom, falta alguns checks para eu dar mas estou chegando nesse caminho, só que hoje eu vejo que ainda era um momento que eu ficava assim “ah um dia” e sempre apareceria um novo checks para eu dar. Acho que para mim o click foi uma junção de fatores em Outubro, mais ou menos, de 2016 eu decidi que eu ia e eu pensava em ir no meio de 2018, pensava que era muito caro, precisava juntar dinheiro e eu queria virar coordenadora no meu trabalho, eu tinha essa nóia na cabeça e aí isso foi meu primeiro start da minha viagem, daí comecei a pesquisar e comecei a ver que não era tão caro quanto eu imaginava, falei “beleza vai dar certo”, só que aí chegou um ponto que eu não estava mais feliz no meu trabalho, chegou janeiro mais ou menos 2017, não estava bem, acordava e pensava ‘o que eu tô fazendo da minha vida? não é o que eu quero, não quero virar coordenadora aqui, “porque eu vou continuar nisso?” foi uma sensação horrível de falta de propósito, que eu imagino ser uma coisa que a nossa geração tá passando muito, de não saber o quê quer da vida, de não estar bem onde está, e eu cheguei nesse ponto e foi realmente o momento que eu falei, “tem que fazer alguma coisa”, e a partir disso o gatilho mesmo foi uma viagem que eu fiz para Colômbia no carnaval, de férias, foram só duas semanas e lá eu só saí com gente que estava fazendo sabático, muito europeu, porque brasileiro não faz tanto e aí foi uma coisinha que aconteceu que eu falei “é agora”: eu estava com dois meninos, era um canadense e um inglês, e os dois estavam viajando assim totalmente sem planos, sem data para voltar e aí o canadense estava de carro e falou que estava indo pra uma cidade, e perguntou se a gente queria ir, e o inglês na hora falou pra irmos só que eu não podia, porque tinha que voltar para o Brasil, totalmente engessado, e eu não queria mais viajar assim, eu vi o mínimo que eu preciso para ir, e vou. Então eu voltei dessa viagem certa de que eu ia, decidi que ia no meio do ano e no final deu tudo certo, consegui o mínimo que eu precisava, comecei a guardar muito dinheiro, assim, prioridade total, deixei de fazer muita coisa, mudei totalmente hábitos para fazer acontecer, então de planejamento efetivo eu diria que durou uns 3 meses, mas desde o momento que eu falei que eu gostaria de ir até eu realmente ir, foram 7 meses mais ou menos, mas foi mais ou menos assim, sempre existiu a vontade, mas eu sempre também posterguei, até que a vida deu um “tcharan”, chegou o momento certo para você e eu agarrei a oportunidade, ela chega, mas tem que agarrar."</p>

Mochilão e Volta ao Mundo com Emiliano Solés 08.01.2020, 20:00
Mochilão e Volta ao Mundo com Emiliano Solés

<p>Mochilão, work exchange, como economizar com alimentação e muito mais, são os assuntos do episódio de hoje. Nesse episódios nós conversamos com o Emiliano Solés,que largou a advocacia e a vida corporativa para dar uma volta ao mundo sozinho de mochila e hoje ajuda outras pessoas a superarem os seus medos e viajarem sozinhas pelo mundo. <br><br>Emiliano: Eu por formação sou advogado, estou com 30 anos e eu me formei muito jovem no direito, então eu comecei a advogar com 21, mas eu sempre fui muito ambicioso e no Brasil pra você ganhar dinheiro de verdade como advogado… eu nunca fiz concurso público, nunca me atraiu essa ideia de fazer concurso. Então, eu advoguei por 3 anos e depois eu pensei <em>pô </em>eu não tô afim de apostar 10 anos da minha vida para ver se eu vou ser bem sucedido como advogado de sucesso tudo mais, ou não. Então como na época eu queria ganhar dinheiro, queria ganhar dinheiro e ganhar dinheiro rápido. Então eu acabei abandonando a advocacia, eu fiz um MBA em gestão empresarial e eu acabei mudando totalmente de área, eu já tinha uma produtora de eventos na época de quando eu era advogado e isso isso que foi a minha virada de chave, pois eu vi que poxa, não preciso trabalhar o resto da minha vida com o que eu estudei, porque eu consigo fazer dinheiro com outras coisas. Essa foi a virada de chave para mim, eu era advogado mas eu tinha a produtora com uns amigos meus do interior, e eu vi que poxa, não preciso do direito, posso fazer coisas que são muito mais legais do que advogar, mas assim ganhar a vida.<br><br>Daí eu acabei fazendo esse MBA e fui pra área comercial, sempre fui bastante comunicativo, e área comercial, acabei comandando o departamento comercial de uma construtora do Rio Grande do Sul e na época eu estava ganhando bastante dinheiro, para o que eu considerava na época, mais do que eu esperava estar ganhando quando abandonei a advocacia, só que depois de um tempo eu percebi que eu não tinha vida, percebi que eu estava trocando todo o meu tempo, a minha juventude nada, a minha vida por dinheiro, e daí comecei a colocar isso tudo na balança e vi que não valia a pena. Eu olhava para os meus superiores e via que eu não queria aquela vida para mim. Trabalhava demais e na área comercial, não sei se tu conhece mais um pouco dessa&#160;área. Então eu nunca tinha final de semana, eu nunca tinha dayoff, eu tava sempre de sobreaviso, era como se eu tivesse tempo de sobreaviso, então isso aí me consumiu, torrou a paciência e daí eu vi que poxa, não dá para seguir assim. Essa era a minha vida antes.<br><br>Daí foi muito louco, porque no outro dia eu resolvi utilizar até uma técnica de vendas que eu utilizava, comigo mesmo, porque sabe quando a gente tem uma ideia, a gente quer fazer alguma coisa, a gente assumir um compromisso para nós mesmos, como “ah vou entrar numa dieta” … “ah dia primeiro de janeiro eu vou na academia” sei lá, mas pô, primeiro de janeiro eu estou de ressaca do réveillon, tem almoço de família, daí fica até tarde conversando, sei lá. Quando a gente assume um compromisso só consigo mesmo, a chance de ser coerente com uma decisão que vai exigir muito de ti, é uma, agora quando tu assumi um compromisso público, a chance de ser coerente com aquele compromisso assumido é muito maior, então o que é que eu fiz,&#160; eu sei que mudo muito de ideia, muito de opinião, enjoo muito fácil das coisas, então como eu sabia que eu não ia me arrepender, mas a chance de eu mudar de ideia no meio do caminho (porque não vai dar uma volta ao mundo do dia para noite) era muito grande, eu peguei e fiz assim, vou assumir um compromisso público de que eu vou fazer a viagem de volta ao mundo. E daí, simplesmente postei no meu Instagram, ai eu pensei, vou fazer, eu vou fazer uma viagem de volta ao mundo.</p>